sábado, 26 de abril de 2014

O Homem Justo




O Homem Justo

- Escrito por Ole Mads Sirks Vevle (Noruega) cineasta e destinatário de mestrado em história religiosa. [o artigo foi originalmente publicado em 06 de abril no maior jornal regional da Noruega, Bergens Tidende]

Como um novo filme épico sobre Noé, vale a pena atualizar nosso conhecimento da Bíblia, mas desta vez filtrada através da tradição Judaica, que afinal é a origem do nosso conhecimento sobre Noé e o Dilúvio. Esta história contém uma mensagem universal.

A tradição Judaica enfatiza a importância de ser uma pessoa justa. É isto que é essencial. As pessoas religiosas podem ficar muito presas em rituais. Eles podem até mesmo estar tão penduradas a Deus. Isso pode ser contraproducente, pois pode desviar a atenção de nossa obrigação universal: ser seres humanos justos.

Concentre-se no aqui e agora

Judaísmo, que não tem o monaquismo, salienta que não devemos nos dedicar exclusivamente ao espiritual. Nossa tarefa humana não é primariamente para chegar ao céu, mas sim para trazer o céu para a terra. Nosso foco deve estar no aqui e agora. Nosso objetivo é nos dedicar à difícil tarefa de fazer sociedades justas. Através do esforço para tornar-se uma pessoa justa, também contribui para tornar a sociedade mais justa.

A tradição Judaica ensina, portanto, que não é necessário pertencer a uma religião em particular para ter um relacionamento com Deus; para ser "salvo". Nem sequer é necessário ser Judeu. "Todos os seres humanos que são justos ganha uma participação no mundo vindouro" (Talmude Babilônico, Sinédrio 105a). Noé foi salvo do dilúvio, e não porque ele pertencia a uma religião em particular, mas porque ele era um ser humano justo.

A terra estava cheia de violência

Por que Deus iniciou o Dilúvio? Não era porque as pessoas não acreditam em Deus, ou que eles não agiram religiosamente o suficiente. Pelo contrário, é porque eles se comportaram injustamente –– o oposto do que Deus planejou. Eles quebraram as regras básicas da casa.

Uma conseqüência natural do comportamento injusto do homem era de que "e toda a terra se enchera de violência" (Gênesis 6:11). A palavra Hebraica para violência, o hamas, também denota assassinato, roubo, opressão e comportamento imoral geral.

O pecado da humanidade foi a de que eles cometeram atrocidades contra os outros e contra a natureza, com o resultado que toda a estrutura social entrou em colapso. No lugar da justiça social, a força bruta e a anarquia reinava. Estudiosos Judeus ensinam que os seres humanos, devido ao seu comportamento, estavam no caminho para a sua própria auto-destruição. Isso também pode ser lido a partir do texto original: "E Deus viu a terra, e eis que estava corrompida" (Gênesis 6:12).

Destruindo a Nós Mesmos

Esta descrição não é muito diferente no último relatório climático da ONU que ainda advertiu que a mudança climática poderia criar grandes inundações. Não há falta de aqueles que afirmam que a humanidade está em perigo de erradicar a si mesmo. Se não for por meio de mudanças climáticas, em seguida, através de colapso financeiro global, a escassez de alimentos, a agitação social, um choque de civilizações, e/ou bom combate antiquado intercalados com o terrorismo internacional e as armas mais recentes de destruição em massa. Os cenários possíveis são muitos. Não há dúvida nenhuma sobre escassez de capacidade de arma, e a guerra sangrenta na Síria nos mostra que não há falta de comportamento bestial e vontade de matar pessoas. O conflito crescente entre a Rússia e o Ocidente também nos mostra como a paz mundial é frágil.

Tendo em conta o acima, podemos entender melhor como a ação de Deus no tempo de Noé foi uma medida de emergência necessária. Se Deus não tivesse feito nada, então a humanidade teria conseguido destruir tudo e ninguém teria sobrevivido. Através da ação de Deus, que foi, portanto, um ato de misericórdia, que a humanidade recebeu uma segunda chance.

O Homem Justo

"Noé era um homem justo." Mas, quais critérios é que define se alguém é justo ou não? De acordo com o ensino tradicional Judaico a receita para ser um ser humano justo é seguir as Sete Leis Noéticas. São sete categorias universais das leis que primeiro foi dada a Adão, mas que são conhecidos pelo nome de Noé, uma vez que essas leis foram dadas novamente a Noé e seus descendentes, depois do dilúvio. "E Deus disse a Noé e a seus filhos com ele: 'e Eu, eis que estabeleço a Minha aliança convosco e com vossa descendência.'" (Gen. 9:8-9).


Especifica o influente rabino Judeu, Moses ben Maimonides (1135-1204),

Qualquer pessoa que aceita para si o cumprimento dessas sete leis e é preciso em sua observância é considerado um dos "justos entre as nações" e merecerá uma porção no mundo vindouro. Mishnê Torá, Leis dos Reis 8:11

As sete leis são:
1) proibição contra a adoração de falsos deuses.
2) proibição de amaldiçoar a Deus.
3) proibição contra o assassinato.
4) proibição contra a imoralidade sexual.
5) proibição contra o roubo.
6) proibição de comer carne que foi separada de um animal ainda vivo (crueldade para os animais). 7) e um comando positivo para estabelecer leis e tribunais.

Uma pessoa justa é, portanto, aquele que não adora ídolos, não amaldiçoa a Deus, não mata, não rouba, quem não é sexualmente imoral, não maltrata os animais e que incentiva a observação dessas leis.

A Lei Cria a Paz

A tradição Judaica considera as leis Noéticas como obrigatória para todos os homens, uma vez que mais tarde se tornou parte integrante da Torá. Isso aconteceu quando eles foram repetidos por Deus quando Ele falou com os Israelitas no Sinai. O Judaísmo tradicional ensina, ainda, que a Torá Oral contém os detalhes destas leis e o conhecimento de como eles são identificados.

A Torá, portanto, consiste em duas alianças entre Deus e o homem: uma aliança universal que se aplica a todos os descendentes de Noé, e um pacto nacional especial que se aplica a todos os Judeus (descendentes de Israel), em seu papel como administradores e comunicadores da Torá. "E vós sereis para Mim um reino de sacerdotes e um povo santo!" (Êxodo 19:6)

O cumprimento dessas leis é concebido como uma salvaguarda contra a humanidade para nunca mais descer até o ponto que reinou antes do Dilúvio. A nível individual, o cumprimento dessas leis vão refinar a personalidade do indivíduo e ajudar a estabelecer uma ligação com Deus.

A história de Noé nos dá a receita de como podemos salvar o mundo e entrar na era messiânica. Segundo a tradição Judaica, a observância das sete leis vão assegurar-nos de uma sociedade estável e justa sem roubo, sem assassinato, etc. Tais comunidades, como conseqüência natural, pavimentam o caminho para a paz no mundo global.

"Naquela época, não haverá nem fome ou guerra, ciúme ou competição, para o fluxo de boa vontade em abundância e todos os deleites estará livremente disponível como poeira." (Mishné Torá, leis dos Reis 12:5).


* O sr. Ole Mads Sirks Vevle é um Noético, estudante da Ash Noah.org, este artigo foi publicado no mês que o filme Noé passou nos cinemas.  Ele escreveu sobre Noé e as Sete Leis Noéticas, não escrevendo nada sobre o filme, mas explicando como Noé e o dilúvio é entendido a partir de uma perspectiva da Torá e como ela também ensina uma lição universal, relacionando-a com as Leis de Noé e da importância de ser um ser humano justo. Obrigado Ole pelo bom exemplo e suas ações boas para ensinar o Código Noético!

Tradutor: Gilson Rodrigues de Arruda.
Publicado no Jornal Mitsvá com permissão de Ole Mads Sirks Vevle.

Um comentário:

  1. Sr. Gilson, muito obrigado pelo seu trabalho e empenho! Que Hashem te abençoe!

    ResponderExcluir