domingo, 11 de junho de 2017

Rabino Nachman de Breslov




5. Ensinamentos de Rebe Nachman de Breslov

[Bisneto do Ba’al Shem Tov e autor de Likutey Moharan]

CONFISSÃO CONTÍNUA

Rebe Nachman de Breslov ensinou que você deve manter-se firme no atributo de teshuvá em todos os momentos. Mesmo quando uma pessoa está recitando o vidui, confissão, e dizer: "Eu pequei, eu tenho transgredido", mesmo então isso não é possível que ele disse aquilo sinceramente pela primeira vez. Portanto, ele deve arrepender-se pela primeira vez que ele fez teshuvá, que não foi totalmente sincero. Ele ainda tem de se arrepender para a confissão que ele disse.

Mesmo se ele é certo que ele tinha se arrependido completamente e sinceramente, ele ainda deve arrepender-se da primeira teshuvá que ele já fez. Essa primeira teshuvá que ele fez foi baseado em seu nível anterior de entendimento. Mais tarde, quando ele se arrepender de novo, não há dúvida de que a sua compreensão da grandeza de Hashem (e da magnitude de sua ação má) mudou. Agora que ele tem uma maior clareza e uma melhor compreensão do que ele fez anteriormente, ele deve fazer teshuvá pelo modo como ele fez teshuvá anteriormente. Feliz é aquele que merece fazer tais teshuvá! LIKUTEI EITZOS

MESHIVAS NEFESH – RESTAURAR O SOLO

Se você deseja se arrepender e voltar para Hashem, você deve ser bem versado em andar pelo caminho da lei Judaica – a "Halachá" (que literalmente significa "passagem" ou "caminho"). Isso impedirá que qualquer coisa neste mundo faça distanciar-lo de Hashem ou de causar-lhe algo para desviar, se você está no seu caminho para cima ou para baixo o caminho para a espiritualidade.

Não importa o que acontece com você e não importa o que você experimenta, você ainda deve se fortalecer e "manter-se" (em Iídiche, "der halten zich"), aderindo a halachá. Em seguida, você pode pronunciar as palavras de Tehilim (139:8): "Se ascendo ao céu, Tu estás lá, se faço minha cama no Baixo Mundo, eis: és Tu!."

Mesmo nos mais profundos recantos mais escuros do Gehinnom, você pode chegar perto de Hashem, porque Ele é encontrado também lá, pois " se faço minha cama no Baixo Mundo, eis: és Tu!." LIKUTEI MOHARAN

HISHTAPCHUS HANEFESH – UMA EFUSÃO DA ALMA

Se você quiser mérito para fazer teshuvá, assuma o hábito de recitar Tehilim, que é uma segulah para teshuvá, por quê?

Há cinquenta portões de arrependimento; quarenta e nove deles somos capazes de abrir e entrar. Estes quarenta e nove portões de teshuvá correspondem as quarenta e nove letras que soletram os nomes das doze tribos de Israel – todas e cada porta corresponde a uma letra dos nomes das tribos. Mas o portão quinquagésimo pertence à própria teshuvá de Hashem, por assim dizer, porque, mesmo em relação a Hashem encontramos o conceito de teshuvá, como é dito, "Voltai agora para Mim [diz Hashem] e voltarei para vós" (Malaquias 3:7).

Todo mundo quer estar no nível em que ele teme Hashem, mas nem todo mundo merece fazer teshuvá. Talvez, algumas pessoas não têm o despertar para fazer teshuvá; outros, embora tenham sido despertados para se arrependerem, não conseguem chegar ao seu portão pessoal para Teshuvá e concluir o processo. Mesmo aqueles que conseguem chegar ao portão pode achar que está fechado e trancado devido a seus pecados e eles podem precisar de redobrar os seus esforços de teshuvah. É por isso que eles falham em seus esforços para fazer teshuvá plenamente.

Ao recitar Tehilim, no entanto, mesmo aqueles que inicialmente não tinha qualquer entusiasmo para se arrepender são movidos a fazê-lo, e eles começam a sentir um despertar para se arrepender e voltar. Este despertar é suficiente para eles chegarem ao portão que corresponde à sua letra e abrir o portão.

Este é o conceito transmitido pelo verso "E estas são as últimas palavras de David ... as palavras do homem [isto é, o Rei David] que foi estabelecido do Alto ..." (Shmuel II 23:1). Nossos Sábios explicam: "Isto ensina que o Rei David estabeleceu o jugo da teshuvá [isto é, ele nos mostrou o caminho para se arrepender depois que ele se arrependeu de seu pecado com Batsheva]" (Mo'ed Katan 16b). No mesmo versículo, o Rei David é chamado de "o suave cantador de Israel", aludindo ao fato de que ele compôs o livro de Tehilim. Desde que ele mereceu "estabelecer o jugo da teshuvah", ele infundiu esse poder de teshuvá em seu Tehilim. É por isso que estamos despertos para arrepender-se através de Tehilim.

Isto é também o que nossos Sábios (Avodah Zarah 4b) queriam dizer quando disse que o Rei David era muito maior e mais digno do que a ação que é atribuído a ele (o pecado com Batsheva) que só aconteceu com ele para ensinar as pessoas sobre o poder do arrependimento. Assim, descobrimos que o Rei David era o principal exemplo de um ba’al teshuvah, e seu livro dos Salmos é um caminho para teshuvá. Ele cantou seus salmos com um sentimento tão grande de despertar e ruach hakodesh (intuição divina) que cada indivíduo pode encontrar as suas circunstâncias pessoais no livro do Tehilim em seu próprio nível pessoal, e através de seu poder, merecer se arrepender.

O refinamento principal das doze tribos, cujos nomes incluem as quarenta e nove letras que correspondem aos quarenta e nove portões de teshuvá, ocorreu no Egito ... Portanto, após as tribos terem sido refinadas através da sua experiência no Egito e mereceu a sua saída, eles contaram quarenta e nove dias do Omer, que correspondem as quarenta e nove letras acima mencionadas que representam os quarenta e nove portões do arrependimento. No qüinquagésimo dia, Hashem desceu ao Har Sinai (Shemos 19:20). Isto é o que se quer dizer com a ideia que foi explicado acima, que teshuvá de Hashem "Eu retornarei a vós", é o quinquagésimo portal, uma vez que é o dia de Hashem, por assim dizer, "retornou" ou chegou perto de nós.

Portanto, as letras finais do verso “V’eileh shemos Bnei Yisrael haba’im –  Estes são os nomes dos filhos de Israel que estavam vindo" (Shemos 1:1) forma a palavra tehillim, e as letras finais da segunda parte deste versículo, “Mitzraymah eis Yaakov ish u’veiso – para o Egito com Yaakov, cada homem e sua família" forma a palavra teshuvá. Isto porque através de dizer os Tehilim, nós merecemos fazer teshuvá.

Isto, também, é o conceito por trás do verso listando os nomes dos filhos de Yaakov que entraram no Egito. As quarenta e nove letras que soletram seus nomes correspondem aos quarenta e nove portões do arrependimento, mostrando que eles desceram para o Egito para serem refinados lá, como acabamos de mencionar.

Podemos ver por nós mesmos que durante os dias de arrependimento – o mês de Elul e a seguir os Dez Dias de Arrependimento entre Rosh Hashaná e Iom Kipur – todos os Bnei Yisrael tomam sobre si a recitar os Tehilim, porque proferir os Tehilim é um Segulah para teshuvá. Proferir os Tehilim é uma coisa grande e importante, uma maneira de acordar sentimentos de despertar para Hashem. Feliz é aquele que capta isso! LIKUTEI MOHARAN

AS BÊNÇÃOS QUE TESHUVÁ TRAZEM

Quando uma pessoa faz teshuvá e se arrepende sinceramente, Hashem lhe concede um coração que pode te levar a conhecê-Lo. SEFER HAMIDDOS, TESHUVÁ

No momento em que uma pessoa decide se arrepender e fazer teshuvá, suas orações são imediatamente aceitas antes mesmo que ele fez teshuvá. SEFER HAMIDDOS, TESHUVÁ

Teshuvá cura o mundo: quando uma pessoa faz teshuvá por medo, seus pecados intencionais são transformados em erros; quando ele se arrepende por amor eles são transformados em méritos. Assim teshuvá traz a redenção mais perto e alonga os dias de um homem e os anos de sua vida. Através de teshuvá, no entanto, não só ele, mas também o mundo inteiro está perdoado. SEFER HAMIDDOS, TESHUVÁ

Através de teshuvá, o espírito de Mashiach sopra e sussurra como o vento mais de quaisquer decretos governamentais duros e cancela todos eles. SEFER HAMIDDOS, TESHUVAH

Através de teshuvá, o modo de vida de uma pessoa vem mais facilmente. SEFER HAMIDDOS, TESHUVÁ


Através de Shabat e teshuvá, um atrai sobre si a luz do Mashiach. SEFER HAMIDDOS, TESHUVÁ

TRAZENDO O ÍMPIO DE VOLTA AO REDIL

Quando um Judeu é movido e despertado para fazer teshuvá por causa de um sentimento de impureza ele experimenta ao tentar rezar e servir Hashem, em seguida, arrependendo-se ele afeta não apenas a si mesmo, mas mesmo aqueles que são verdadeiramente maus e deixaram o rebanho de Klal Yisrael por causa de seus atos perversos. Ele faz com que eles se arrependam e voltem, e então eles mesmos são transformados em um instrumento de santidade, auxiliando aqueles que servem Hashem para construir edifícios sagrados. LIKUTEI EITZOS, TESHUVÁ

TRÊS CONDIÇÕES

Há três condições para teshuvá: os olhos devem ver, o coração tem que entender, e os ouvidos devem ouvir. Uma pessoa deve procurar e entender o seu propósito final na vida, e ele deve estar preparado para cumpri-la. Ele também deve ouvir e prestar muita atenção às palavras de nossos Sábios – então ele vai merecer realmente ter sucesso em fazer teshuvá plenamente. LIKUTEI EITZOS

AS BARREIRAS E OBSTÁCULOS NO INÍCIO DA VIAGEM DE UM BA'AL TESHUVÁ

Quando a luz da teshuvá começa a brilhar dentro e desperta o penitente que está distante de tudo o que é santo, ele pode achar que seu caminho é impedido por vários obstáculos. Ele deve exercer grande esforço para superar esses obstáculos e livrar-se de suas vestes sujas. Estas peças de vestuário que foram sujas com pecados e más ações anteriores agem como uma barreira, como um rio cruzando uma estrada de modo que não se pode atravessar.

Não permita que seus pensamentos faça confundi-lo ou assustá-lo de aproximar-se de Hashem. Se você vê que obstáculos aparentemente intransponíveis dificulta você de voltar a Ele, saiba que estes são formados a partir de suas roupas sujas pelo pecado. Você deve sofrer este esforço e alguma amargura até que você pode desfazer-se destas peças de vestuário. Em seguida, esses obstáculos desaparecerão, e quaisquer barreiras entre você e a santidade deixará de existir. LIKUTEI EITZOS

GUARDANDO OS SEUS PENSAMENTOS PARA ARREPENDIMENTO

O significado de teshuvá é retornar algo para a sua origem. A origem, ou no início de todas as coisas está a sabedoria. Por esta razão, todos devem proteger a sua sabedoria e inteligência de influências externas e estranhas, e especialmente de pensamentos negativos, impuros, porque todos os pecados estão enraizados em uma sabedoria manchada que é deixado sem vigilância. Esta é a principal forma de teshuvá. LIKUTEI EITZOS

A verdadeira teshuvá é dependente de seu coração, especialmente aqueles pensamentos que se encontram no fundo de seu coração. Portanto você precisa se fortalecer para fugir de pensamentos negativos e pensar sempre de forma positiva. Concentre-se no objetivo de voltar para Hashem e usar sua imaginação para pensar em estratégias e maneiras de ajudá-lo a se arrepender. Isso irá ajudá-lo a adquirir os segredos da sabedoria da Torá, e a sabedoria da Torá que você adquiriu será o prazer primário que você vai experimentar no próximo mundo. LIKUTEI EITZOS

TESHUVÁ ATRAVÉS DA TORÁ

Teshuvá depende principalmente de Torá. Se você estudar a Torá e exercer-se em seus estudos, você vai entender como um conceito é derivado de outro. Então você terá o mérito de originar novas idéias e novas interpretações para o bem do Céu. Esta é uma forma de verdadeira e completa teshuvá, pois criar chiddushim significa criar novas ideias e teshuvá é uma forma de renascimento e renovação. LIKUTEI EITZOS

A JORNADA DE TESHUVÁ

Cada pessoa tem experiências únicas com base em tudo o que aconteceu nas estações ao longo de sua jornada de vida. A teshuvá verdadeiramente completa é definido por voltar para os mesmos lugares anteriormente viajados e fazer escolhas diferentes desta vez. Quando você passar por estas situações novamente, e agora você vira as costas para elas e prevalece sobre a sua inclinação – isso é a verdadeira teshuvá. LIKUTEI EITZOS

TESHUVÁ ACIMA DE TUDO

Teshuvá sucede contra todas e quaisquer pecados. Até mesmo a grave ofensa de perder intencionalmente a semente e quaisquer outras formas de manchas feitas no bris – até mesmo esses pecados pode ser superado com Teshuvá.

Assim, nossos Sábios disseram: "Não há verdadeiramente nada que se coloca no caminho da teshuvá" (Yerushalmi, Pe’ah 1:1; Sanhedrin 103a). LIKUTEI EITZOS

MESMO APENAS UM DIA DE ARREPENDIMENTO É MUITO PRECIOSO

Uma vez, Reb Noson de Nemirov ouviu Rebe Nachman recitando a Mishnah "Arrependei-vos um dia antes da sua morte" (Avos 2:10). Quando ele disse as palavras e repetiu elas. Rebe Nachman manteve salientando "um dia".

O que Rebe Nachman se destinou a transmitir, disse Reb Noson, é a ideia de que se arrepender um dia sequer durante a sua vida antes de deixar este mundo é de extrema importância.

Então, muitas pessoas, Reb Noson explica; desistem e são perdidos porque, embora eles despertam-se a arrepender e voltar para Hashem, eles são impedidos de o fazer por um dia antes e um dia depois – por seu passado e seu futuro. O passado prende-los de volta por causa da má ação que isso contém, e seu futuro é dificultado por obstáculos pessoais similares.

Rebe Nachman nos diz: "Aproveite o momento e se arrependa mesmo apenas ‘um dia’ "antes de morrer." Arrependam-se mesmo apenas um dia de sua vida neste mundo, e não se deixe desanimar, por isso um dia é tão precioso como qualquer tesouro. Aproveite o momento, porque se você não aproveitar o dia de hoje, você pode perder a oportunidade. SICHOS HARAN

Returnity — The Way Back To Eternity [Selected Teachings From The Chassidic Masters On Teshuvah] por Rabino Tal Moshe Zwecker.

Rabbi Tal Moshe Zwecker é um Chassid e mestre em Ramat Beit Shemesh. Tradutor do Noam Elimelech e outros clássicos da Chassidus em Inglês.

Traduzido por Gilson Sasson para Jornal Mitsvá. Com permissão do autor.

R’ Tal Moshe Zwecker
Director Machon Be’er Mayim Chaim Publishing



sábado, 10 de junho de 2017

Leve ao Coração




Nesta incrível revelação pessoal, Rabino Shalom Arush conta a história emocionante e provocadora de como ele se tornou Judeu crente e seus primeiros passos para buscar Hashem...

Nota do editor: O seguinte é um incrível segmento do louvor que Rav Shalom Arush disse no último dia de shiva para o pai de Yosef Nechama, Shlomo ben Shmuel, de memória abençoada. 

O Rei Salomão, o mais sábio de todos os homens, disse: "Melhor ir a uma casa enlutada que a uma em festa, pois este é o destino de cada ser humano, e isto deve estar presente no coração dos vivos." (Eclesiastes 7:2).

Ninguém pensa sobre o significado da vida quando ele ou ela está se divertindo, comendo bifes e bebendo cerveja. Mas, quando finalmente separamos de alguém próximo a nós, começamos a pensar. Portanto, é claro que um funeral é mais provocador do que uma festa. Qualquer um com um cérebro em sua cabeça sabe que o funeral é o fim final de todas as voltas neste mundo. No entanto, as pessoas ignoram a mensagem que o Rei Salomão implorou, de que "os vivos devem levar isso a coração".

A mensagem nessa passagem me fez um crente.

Deixe-me compartilhar um pouco do meu passado com você. Quando eu estava no ensino médio, não observei nada. Embora meus pais fossem Judeus temerosos à Deus, quando chegamos a Israel de Marrocos, assisti a escolas seculares e tinha amigos muito seculares.

Quando cheguei ao exército, eu estava comendo em Yom Kipur e comendo pão em Pessach. Isso é o quão longe eu estava. No entanto, Hashem me abençoou com bom senso e convicção. Eu não fiquei com a pressão dos pares quando se tratava de coisas prejudiciais para a saúde e o bem-estar de alguém como cigarros e álcool. Gostei da minha total liberdade, que incluía a liberdade de substâncias de qualquer tipo.

No exército, meus amigos costumavam se divertir porque eu evitava cigarros durante um tempo em que quase todo mundo fumava. No entanto, um inverno, quando nossa base nas montanhas estava nevando, os caminhões de abastecimento não puderam nos alcançar. A cantina de base ficou sem cigarros. Meus amigos ficaram loucos sem sua solução de nicotina; Eles estavam limpando a base procurando por pontas de cigarro para poder espremer um sopro ou dois. Eu fui o único que acabou rindo deles. Eles estavam agindo como viciados ridículos e eu estava curtindo minha liberdade. 

Quando a Guerra de Yom Kippur de 1973 explodiu, eu era médico de bordo em uma equipe de helicópteros. Embora a nossa principal tarefa tenha sido o resgate de pilotos derrubados, passamos horas a fio evacuando feridos e os soldados mortos nas áreas de combate. Minha unidade consistiu em três tripulações de helicóptero de quatro soldados cada. Pensa-se que o contato constante com a morte nos levaria a começar a pensar, mas nenhum de nós fez Teshuvá; Todos nós permanecemos muito seculares.

Parcialmente como mecanismo de defesa psicológica, faríamos piadas sórdidas com os mortos. falavamos coisas como: "Ei, amigo, você não tem o cérebro para se manter vivo?" Sim, pareceu doente, mas isso nos impediu de ficar loucos. Tínhamos um trabalho a fazer e não podíamos nos afundar em nossas costuras emocionais. No entanto, sempre pensei que o morrer era apenas para os mortos; Eu nunca lembrei da morte, nem parei e pensei que, eventualmente, estaria no mesmo barco.

Depois da guerra, quando quatro de meus companheiros de equipe morreram em um acidente de helicóptero durante o trabalho de reserva em 1974, eu ainda tinha minha atitude indiferente, mesmo durante e após seus funerais, todos os quais eu assisti em um dia. Então, eu corri ao provérbio do Rei Salomão em Eclesiastes: "e isto deve estar presente no coração dos vivos". Essas palavras entraram no meu coração como flechas...

Eu tinha todos os tipos de aspirações. Eu aspirava para ser um ótimo médico e ganhar muito dinheiro. Perguntei-me: "Suponha que você tenha sucesso, Shalom, e você se torne um médico de renome mundial, suponha que você acumule uma enorme fortuna de dinheiro. Faz sentido gastar o tempo e o esforço necessários para trabalhar nesta terra, quando você acabar enterrado seis pés debaixo do chão? Quais são as conquistas que vale quando o seu corpo se decompõe nos mesmos elementos exatos que o fertilizante animal? Tudo isso vale a pena?” 

Eu tive muitas perguntas. Eu não perguntei a ninguém sobre estas coisas, eu apenas os dirigi para D’us, se Ele estivesse realmente lá. Eu genuinamente e sinceramente procurei respostas e Ele me entregou. Claro, se o ser humano é apenas um corpo, nada faz sentido quando é preciso ter um cemitério. Hashem me fez perceber a alma, o aspecto espiritual que não é apenas a pessoa verdadeira, mas também uma pequena centelha do Todo-Poderoso. Assim como o Todo-Poderoso é eterno, a alma também é assim. Foi quando a vida começou a fazer sentido. 

Ninguém falou comigo e ninguém me convenceu. Foi a passagem do Rei Salomão no Eclesiastes, que desencadeou meu profundo pensamento e me fez um Judeu de crença. Uma coisa que eu tive a sorte de aprender no início foi que, se uma pessoa se voltasse para Hashem com toda a verdade, Hashem responde todas as suas perguntas. Desde então, eu nunca parei de falar com Hashem, sempre que posso, onde quer que eu vá e puder.  

"e isto deve estar presente no coração dos vivos". Você pode interpretar isso de outra maneira: se você não leva a mensagem da morte para o coração e começa a avaliar o que está fazendo com sua vida, então você já está morto, pois a vida deve levá-la ao coração. Queridos irmãos e irmãs, comece a viver!

*Escrito por: Rabino Shalom Arush
*Versão em Inglês por: Rabi Lazer Brody
*Traduzido em Português por: Gilson Sasson (editor de Jornal Mitsvá)
*Artigo originalmente publicado em Breslev Israel (http://www.breslev.co.il). Publicado em Jornal Mitsvá com a permissão de Breslev Israel.
*As Fotografias são utilizadas com a permissão de Breslev Israel e retirados do site Shutterstock.



quarta-feira, 7 de junho de 2017

Como você vem para amar Hashem?


Como você vem para amar Hashem?

O Chovos Halevovos diz que não há amor sem temor. Como pode ser? O mundo pensa o contrário; que com temor não há amor. Mas é exatamente o contrário. O amor para Hashem é construído sobre a consciência d’Ele. A maneira de adquirir isso é através do temor. - Asking Hashem

Vivendo com Hashem por Simchas Hachaim Publishing 

Copyright © 2017 Simchas Hachaim Publishing, All rights reserved.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Fé e Ciência



PARTE 2

Fé e Ciência

"O justo, porém, sobreviverá por sua Emunah - fé! (Habacuc 2:4)

"Todos os Teus mandamentos são Emunah - fé!" (Salmos 119:86)

"Há muitas questões para busca sobre Deus. Mas é apenas conveniente e apropriado que isso seja assim. De fato, tais questões aumentam a grandeza de Deus e mostram Sua exaltação. Deus é tão grande e exaltado que Ele está além da nossa capacidade de entender Ele. É obviamente impossível para nós, com nossa limitada inteligência humana, entender os Seus caminhos. Inevitavelmente há coisas que nos desconcertam, e isso é apenas apropriado. Se os caminhos de Deus estivesse de acordo com os limites de nossa compreensão escassa, não haveria diferença entre o Seu entendimento e o nosso, e isso é inconcebível". -- Rabino Nachman de Breslov, Likutey Moharan II:52

"Ciência Funciona!"

As incríveis conquistas da ciência moderna deram-lhe um prestígio incomparável na mente das pessoas em todo o mundo. "Ciência funciona"!!!

As maravilhas do dia moderno, como viagens a jato, exploração espacial, comunicações globais instantâneas, procedimentos médicos sofisticados, nanotecnologia e hospedeiros de outras pessoas eram inconcebíveis, mas hoje são parte de nossa vida cotidiana. Eles só foram possíveis através de uma pesquisa cuidadosa, experimentação e exploração engenhosa das leis da natureza.

Em tempos anteriores, as pessoas só podiam esperar e orar pela ajuda divina para fornecer-lhes a comida mais básica e outras necessidades. Mas hoje muitos parecem acreditar que a ciência e a tecnologia podem realizar quase qualquer coisa, não deixando lugar para oração, fé ou crença em um Poder Superior.

A verdade é que não há contradição entre ciência e fé em D’us. Muitos dos maiores cientistas de todos os tempos chegaram à conclusão inescapável de que, por trás da ordem, simetria, harmonia e beleza do Universo, está a mão de D’us.

O senhor Isaac Newton (1642-1726), um dos cientistas mais influentes que já viveu, escreveu:

"Este mais belo sistema do sol, dos planetas e dos cometas, só poderia proceder do conselho e do domínio de um Ser inteligente e poderoso... Este Ser governa todas as coisas, não como a alma do mundo, mas como Senhor de Todos...Senhor Deus ou Governante Universal" (Principia Mathematica Book III).

Albert Einstein (1879-1955), considerado o excelente engenheiro científico da era moderna, não praticou a religião tradicional, mas ele disse:

"Um conhecimento da existência de algo que não podemos penetrar, das manifestações da razão mais profunda e da beleza mais radiante - é esse conhecimento e essa emoção que constituem a atitude verdadeiramente religiosa, neste sentido, e só nisso, Eu sou um homem profundamente religioso ".

"Minha religiosidade consiste em uma humilde admiração do espírito infinitamente superior que se revela no pouco que nós, com nosso entendimento fraco e transitório, podemos compreender a realidade". (Albert Einstein, "The Human Side" Princeton University Press)

"A experiência mais bela e mais profunda é a sensação do místico. É o semeador de toda a ciência verdadeira. Aquele a quem essa emoção é um estranho, que já não se podem admirar e ficar embevecidos em êxtase, é tão bom como morto. Saber que o que é impenetrável para nós realmente existe, manifestando-se como a mais alta sabedoria e a beleza mais radiante que nossas faculdades sombrias podem compreender apenas em suas formas primitivas - esse conhecimento, esse sentimento é o centro da verdadeira religiosidade". (Albert Einstein, "The Ferging of Spirit and Science")

Numerosos grandes rabinos ao longo das gerações foram grandes cientistas, como Rabi Moshe ben Maimon (também conhecido como RaMBaM ou Maimonides, c. 1135-1204), o proeminente codificador da lei da Torá, que também era filósofo, matemático, astrônomo, médico e Farmacologista cujos trabalhos médicos são estudados até hoje. Nos últimos tempos, o Rabino Menachem Mendel Schneerson, (o Rebever 1902-1994 de Lubavitch), não só teve domínio sobre toda a gama de literatura da Torá, mas também obteve títulos universitários em matemática e engenharia e surpreendeu os cientistas, acadêmicos profissionais e médicos com sua profunda compreensão das ciências.

A Guerra Contra a Fé

Começando no oeste nos anos 1700, um movimento de pensadores, filósofos e cientistas em rápida expansão ficou tão entusiasmado com o conhecimento científico acelerado da humanidade e o controle aparente sobre a natureza que se convenceram de que o mundo moderno não precisa mais de D’us.

Não só se rebelaram contra estabelecimentos religiosos antiquados que se apegavam a dogmas e superstições desatualizados, resistindo a todas as novas abordagens. Em nome da "modernidade" e "iluminação", esses ateus autoproclamados rejeitaram a própria idéia de D'us, embarcando em uma guerra de refutação incontrolável e agressiva, zombaria e desprezo dirigido contra qualquer tipo de fé tradicional. Sua influência tornou-se hoje dominante nas escolas e universidades, na cultura popular e nos meios de comunicação em grande parte do mundo.

Nas palavras da Bíblia que retratam civilizações antigas que chegaram a conclusões semelhantes: "Entretanto, falam a Deus: ‘Afasta-Te de nós, pois não temos interesse em conhecer Teus caminhos". (Jó 21:14, veja também Jó 22:17)

É verdade que a ciência e a tecnologia modernas nos deram um conhecimento sem precedentes e um domínio sobre a natureza em muitas áreas. Alguns afirmam que os cientistas logo poderão trazer os mortos a vida! No entanto, mesmo que isso seja possível, a conclusão de que a ciência nos dá controle sobre todo o Universo simplesmente desafia a lógica e voa diante das realidades de nossa existência.

É mero arrogância acreditar que, porque sabemos muito, podemos, portanto, saber tudo. Esta não é verdadeira ciência, porque a ciência genuína não trata de hipóteses selvagens, mas em inquérito meticuloso e experimentação verificável de forma independente. Os verdadeiros cientistas têm a humildade de reconhecer que quanto mais conhecemos sobre o Universo, mais misterioso se torna. A ideologia pseudocientífica que nega a fé em um Poder Superior é, na verdade, mais prevalente entre os especialistas populares cujo conhecimento científico é de segunda mão do que entre aqueles que estão na vanguarda da pesquisa científica. Essa ideologia é em si mesma uma espécie de fé não provável onde os seres humanos servem e adoram as obras de suas próprias mãos.

O estilo de vida a que esta ideologia secular moderna conduz não é outro senão o materialismo neo-pagão desenfreado nos países chamados "mais avançados" e "desenvolvidos" no mundo de hoje, onde as pessoas passam toda a sua vida devotadas à perseguição de riqueza, poder, status, prazer, excitação e todo tipo de gratidão física concebível.

Evolução vs. Criacionismo

Um dos principais exemplos dessa pseudo-ciência é a chamada "Teoria da Evolução", que afirma que a humanidade simplesmente evoluiu gradualmente a partir de formas de vida mais primitivas através de "saltos" de desenvolvimento casual ao longo de milhões de anos e que hoje é dogma aceito em universidades, colégios, escolas, livros didáticos de ciência e cultura popular em grande parte do mundo. Por conseguinte, muitas pessoas acreditam evidentemente que os seres humanos não são mais do que uma espécie de animais altamente desenvolvida que, portanto, é justificada em dedicar toda a sua vida à auto-gratificação material.

Nenhum dos cientistas que promovem essa teoria estava em torno de todos aqueles milhões de anos atrás. Eles estão fazendo simplesmente hipóteses com base em "evidências" limitadas e muitas vezes duvidosas sem provas decisivas. Ninguém ainda encontrou nenhuma explicação sobre a forma como os grandes "saltos" genéticos que esta teoria postula realmente aconteceram ou por quê.


Por outro lado, o "Criacionismo" é a abordagem baseada na fé que, mesmo que o desenvolvimento de diferentes espécies tenha ocorrido ao longo de período de tempo, foi dirigido pelo poder invisível, desconhecido que chamamos D’us. O Criacionismo admite que nossas mentes são muito limitadas para compreender como isso aconteceu e não pretende explicá-lo. Em vez disso, o Criacionismo dá um nome ao mistério que qualquer mente razoável é obrigada a reconhecer: que o sistema incomumvelmente complexo, subtil, diverso, ainda unificado, harmonioso e belo que vemos diante de nossos olhos neste Universo não pode ter acontecido por mera chance aleatória. O nome que a Fé dá à fonte desse mistério é D’us - pelo nome que chamamos de Ele.

Limitações da Ciência

A ciência não pode explicar como o Universo surgiu ou por que, qual é o propósito e qual o objetivo e propósito de nossas vidas humanas mortais. Como seres humanos, constantemente nos estabelecemos metas de curto e longo prazo e nos esforçamos para alcançá-los. Como é desse jeito que nossas mentes funcionam, é natural que perguntem qual é o objetivo geral e o propósito da vida. Por que tudo isso está aqui?

A ciência obteve sucessos impressionantes na observação, medição, compreensão e exploração do funcionamento do mundo físico. No entanto, a ciência não tem métodos universalmente aceitos para definir, medir, avaliar e avaliar metas e intenções humanas. A ciência está em falta para explicar a complexidade e a sutileza da motivação humana, da ambição, da visão, da força de vontade, da determinação, da autodisciplina e da busca da excelência.

A tecnologia é igualmente neutra em termos de valor. Qualquer técnica pode ser usada para bons propósitos ou ruim, mas a ciência e a tecnologia em si não podem avaliar o valor relativo desses propósitos diferentes ou prescrever como a tecnologia deve ser usada. Eles não podem pregar quais os valores que as pessoas devem abraçar ou ensinar-lhes o que perseguir na vida e não podem avaliar os méritos relativos da busca de riqueza, poder, prestígio, prazer, gratificação física, entretenimento, cultura, estimulação intelectual, amor, romance, vida familiar ou qualquer outra coisa.

Cada pessoa é inteiramente livre para escolher seus próprios valores. O desafio é saber o que melhor escolher. Qualquer auto-proclamado "cientista" que afirma que não há nenhum objetivo na vida e que tudo o que importa é a auto-gratificação é de fato um pseudo-cientista que está usando sua "ciência" como uma camuflagem para justificar um materialismo secular neo-pagão.

A ciência pode lidar apenas com o mundo material observável, mas a pessoa pode negar que a mente humana tem acesso a outras dimensões não físicas da existência que a ciência não pode explicar ou medir. Isso é evidente na extensa documentação de fenômenos paranormais, percepção extra-sensorial, telepatia, precognição, experiências de morte clínica e muito mais.

Nós existimos antes de nascermos e, em caso afirmativo, de que forma? O que acontecerá depois de morrermos? Por que sonhamos? Por que as pessoas têm visões? Intuições? Surtos criativos em que eles imaginam e inventam coisas que nunca antes pensaram? O que faz as pessoas quererem ir além do egocentrismo humano normal para ajudar os outros, demonstrar bondade, demonstrar autodisciplina, praticar abnegação, assumir obrigações e deveres de sua própria vontade, desenvolver-se espiritualmente e buscar profecias, espírito sagrado e alegria?

A ciência geralmente pode explicar causas e efeitos e inter-relações, mas é incapaz de quantificar ações propositadas ou avaliar entre diferentes propósitos. No entanto, o que nos distingue como seres humanos é precisamente o nosso livre arbítrio e nossa capacidade de escolher nossos próprios objetivos.

O que é mais importante para nós em nossas vidas é o que queremos alcançar e como tentamos fazê-lo. Se assim for, a ciência não tem nada a dizer na área mais importante de nossas vidas: ação proposital e onde direcioná-la.

Emunah

"Experimentem e vejam que o Senhor é bom; louvável é o homem que Nele se refugia!" (Salmos 34:9).

Respostas às nossas perguntas sobre o propósito de nossas vidas e onde direcioná-las não podem ser derivadas da ciência. Elas entram no reino de EMUNAH, uma palavra Hebraica que geralmente é traduzida para o Português com as palavras FÉ ou CRENÇA, embora estes não expressem o verdadeiro e completo significado da EMUNAH.

EMUNAH deriva da raiz Hebraica AMÉM com a qual afirmamos o que é firme, confiável, seguro e certo. EMUNAH é fé no que acreditamos ser, em última instância, verdadeiro, certo e completamente confiável. EMUNAH não pode ser comprovado por lógica ou ciência. Com a EMUNAH, sentimos e conhecemos a verdade em nossos corações e nas profundezas do nosso ser.

Muitas pessoas parecem nascer com uma fé instintiva e básica no Divino, mas, se ela não for afirmada e fortalecida pela sua educação, pode ser facilmente enfraquecida ou mesmo destruída pelas influências circundantes e tentações mundanas, deixando-as com muitas dúvidas e perguntas.

A EMUNAH não se baseia em ciência ou lógica, embora possam fortalecê-la. Nem EMUNAH é uma facada irracional no escuro, sem qualquer base. EMUNAH, a Fé de Israel, baseia-se na nossa fé inata e inerente fortalecida e desenvolvida através de ensinamentos e tradições que recebemos de nossos pais, professores e guias espirituais, que, por sua vez, os receberam daqueles que foram antes deles indo todos ao caminho de volta aos antigos profetas e sábios.

A fé de Israel está consagrada na Torá escrita - a Bíblia - e na literatura da Torá "Oral" encontrada no Talmud, Midrash, Halachah, Kabbalah e Chassidut. Com a EMUNAH, aceitamos e nos submetemos à sabedoria que recebemos de nossos sábios e anciãos.

EMUNAH nos ensina a verdadeira natureza e propósito do mundo e nossas vidas nele. EMUNAH é uma atitude de espírito que admite humildemente que fomos colocados em um mundo que não criamos e que, quer queira ou não, teremos que sair daqui e que nossas vidas estão cercadas por mistérios que estão além da nossa compreensão. Através da EMUNAH, aceitamos que, apesar de sua complexidade infinita, este Universo não é um sistema aleatório sem sentido e ou sem propósito, mas que todas as coisas acontecem para um propósito.

A essência da fé de Israel é que, apesar da infinita variedade na Criação, não é uma assembléia casual de múltiplos poderes, mas um Reino ou Domínio único ou unificado que é dirigido e governado por um Governante ou Rei: o misterioso, um desconhecido Que chamamos de D'us. Como Ele é nosso Rei e Mestre, somos obrigados a reverenciar e obedecer a ele por nosso próprio bem, porque Ele é amoroso e compassivo e deseja o bem.

EMUNAH nos guia e nos ensina sobre o significado e propósito de nossas vidas. Com uma atitude de fé, podemos aceitar que, mesmo que não possamos compreendê-la, deve haver algum propósito nos "acidentes" de nascimento, saúde ou doença, inteligência ou falta dela, riqueza ou pobreza, beleza ou feiúra , Felicidade ou dor e sofrimento que definem e influenciam a vida de diferentes pessoas.

Com a EMUNAH podemos aceitar isso dentro de nossas limitações, nos foi concedida livre arbítrio e margem de manobra, ação independente e um certo controle sobre nossas vidas, mesmo que não possamos escapar da morte. Com a fé, podemos aceitar que, apesar da nossa mortalidade, a vida não é inútil porque existe um significado e propósito em nossas próprias lutas e esforços. Com a EMUNAH, acreditamos que D’us ouve nossas orações e responde para elas para o bem.

EMUNAH nos guia como avaliar os caminhos e objetivos diferentes e contraditórios em que podemos escolher neste mundo e como distinguir entre o que é verdadeiramente bom e o que é realmente o mal, pois isso nem sempre é óbvio por aparências superficiais. EMUNAH permite ver o valor inestimável dos caminhos da vida que levam além do egoísmo humano e ganância ao autocontrole, autodisciplina, justiça, bondade, caridade e busca da verdade.

Você não pode provar EMUNAH. Você deve tomar o "salto de fé" e experimentá-lo, gostar!



SEGMENTOS DO CURSO

Torá para as Nações: Judaísmo 101

Este curso contínuo sobre os fundamentos da fé e da prática da Torá para os números florescentes em toda a África, Ásia e muitos outros lugares em todo o mundo que procuram informações confiáveis sobre o Judaísmo autêntico, a fim de fazer escolhas informadas sobre seu caminho como Judeus ou Noéticos, em face de uma grande confusão e desinformação.

JUDAÍSMO 101 não é um curso de conversão Judaica, mas pode servir de guia para estudantes, professores, líderes comunitários, potenciais conversos, retornados à Torá e pessoas de todas as fés e origens que buscam a verdadeira compreensão da missão do Povo de Israel.

Elijah o Profeta disse: Eu chamo o céu e a terra para testemunhar para mim, se é um Judeu ou um gentio, um homem ou uma mulher, um escravo ou uma empregada doméstica, tudo depende das ações da pessoa: de acordo com o que a pessoa Faz, então o Espírito Santo repousa sobre eles." (Tanna d'vei Eliyahu 9:1)

domingo, 4 de junho de 2017

Bóia salva-vidas



Existem dois tipos de sono: um físico e um espiritual. Se o primeiro é favorável, o segundo é perigoso e devemos fazer todos os esforços para sair dele.

O caminho que leva ao renascimento espiritual começa com a nossa obrigação de encontrar em nós mesmos os aspectos positivos, mesmo que nos encontremos em uma situação extremamente difícil. Dando algum valor à nossa própria pessoa e agarrando-se ao menor aspecto de alegria que ainda podemos sentir são o começo de nossa salvação.

Por outro lado, quando percebemos que estamos muito longe de Hashem, isso mostra que estamos imersos em um sono espiritual. Como podemos estar tão distantes se estávamos acordados!

Devemos saber que nossas falhas e transgressões não são apenas atos que causam grande tristeza para o Criador. Quando um indivíduo não respeita a Vontade Divina, ele cria inimigos reais que serão a fonte de um número significativo de suas vicissitudes.

É essa a realidade que o Rei David expressou quando disse: "Senhor, quão numerosos são os meus atormentadores; os graúdos se levantam contra mim!" (Salmos 3:2). Isso significa que os adversários de nossas almas - isto é, nossas falhas e transgressões - são os principais motivos para o sofrimento diário.

Quando essas forças do mal se fortalecem contra nós, devemos perceber que seu objetivo é destruir-nos, pura e simplesmente, que D’us não permita. Nessas situações, imaginamos não ter esperança, nem sair para recuperar a alegria e prazer de viver. Este é também o significado das palavras do Rei David quando ele disse: "Muitos dizem respeito a mim mesmo: "Ele não tem salvação para esperar de D'us" (id. 3:3).

Sobrecarregado por todos os lados, a sensação de perder equilíbrio e estar mergulhado em algo nos rodeia. A bóia que poderia nos salvar é lenta para aparecer e falta a força para enfrentar o desafio. Então, queremos apenas uma coisa: se deitar e adormecer (id 3:6). Uma vez nesta fase, estamos em pleno sono espiritual e as chances de despertar se afastam com grandes passos.

No entanto, a verdade é diferente. Estamos proibidos de ficar desesperados e acima de tudo para o desespero de nós mesmos. Devemos nos fortalecer para sair desse despertar e abrir os olhos o mais rápido possível. Para esse fim, a melhor arma provavelmente deve começar a encontrar bons aspectos em nós, mesmo que seu número seja reduzido.


Por: Dovid-Yitzhok Trauttman.

(Inspirado por "Likoutey Halakhot" por Rabino Nathan de Breslev, Orach Chaim, Hilkoth Hachkamath Haboker, 1:2)

terça-feira, 23 de maio de 2017

O Baal Shem Tov, paredes ilusórias



Paredes ilusórias

Quando alguém quer servir a Deus ou viajar para o verdadeiro Tzaddik, ele é obrigado a enfrentar obstáculos. Cada pessoa imagina que os obstáculos que enfrenta são maiores do que aqueles que enfrentam os outros e tem dificuldade em resistir a eles. Mas ninguém nunca é confrontado com obstáculos que estão além de sua capacidade de superar, se ele realmente quer. A verdade é que não há obstáculo algum, porque Deus está presente, embora velado, no próprio obstáculo.

A maior de todas as barreiras são aquelas na mente – quando a pessoa é dividida de Deus ou do Tzadik em sua própria mente e coração. Uma pessoa pode vir ao Tzaddik apesar de todos os obstáculos físicos. Mas se alguma dúvida pequena sobre o Tzaddik surge então em sua mente faz com que seu coração vacile, este é o maior obstáculo de todos. Da mesma forma, uma pessoa encontra muitos obstáculos quando quer orar. No entanto, se depois de superar todos estes obstáculos, ele está pronto para orar, mas seu coração é contorcido e afastado de Deus, este é o maior obstáculo de todos.

O Baal Shem Tov contou uma parábola sobre um rei que deixou um grande tesouro em um determinado lugar, cercando-o com todos os tipos de paredes ilusórias. Quando as pessoas chegavam a essas paredes, pensavam que eram reais e que seria muito difícil romper. Alguns recuaram imediatamente; Outros atravessaram uma parede, mas não conseguiram atravessar a segunda. Alguns atravessaram mais paredes, mas ninguém conseguiu atravessar todas as paredes até que o filho do rei veio e disse: "Eu sei que todas essas paredes são ilusões puras e a verdade é que não há nenhuma parede em tudo!" Ele foi a frente confiantemente até que ele venceu todas.

Todos os obstáculos e tentações que estão no caminho do verdadeiro temor do céu são paredes ilusórias. Seja corajoso e de coração forte! Todos os obstáculos aparentes, como restrições financeiras e outros materiais ou a oposição de outros, desaparecerão se você for determinado e corajoso em sua busca por Deus.


Likutey Moharan II, 46

Do livro "The Essential Rabbi Nachman" por Azamra Institute, Israel.