domingo, 2 de setembro de 2018

Nós precisamos fazer as coisas junto com o Tsadic




Precisamos que o verdadeiro Tsadic para conseguirmos chegar em algum lugar, espiritualmente

Um shiur que foi dado na quarta-feira à noite de Parshat Ki Tetzae, (22 de Agosto de 2018), depois das orações da manhã.

É IMPOSSÍVEL REALIZAR QUALQUER NÍVEL ESPIRITUAL, EXCETO SEGUINDO O CAMINHO DO TSADIC HAEMET (O VERDADEIRO TSADIC).

Tudo o que uma pessoa tenta fazer sem o tsadic - está escrito na página 22 de Ki Tisa - é semelhante a agir como um mágico, um feiticeiro e como um Cuthite. Uma pessoa é chamada de goy, um feiticeiro quando tenta fazer as coisas sem o Tsadic.

Quando ele está sem o Tsadic, ele está apenas operando com suas próprias habilidades naturais. Uma pessoa vem a este mundo para ter livre arbítrio e escolher o bem.

Mas é impossível merecer isso [isto é, escolher o bem] a menos que ele se aproxime do Verdadeiro Tsadic.

E este é o segredo, porque todo mundo viaja para Uman: é para receber um novo nível de bechirah (capacidade de escolha). Ser capaz de escolher apenas o bem.

A partir do momento em que uma pessoa chega a Uman, sua mente já está sendo completamente limpa. Ele não tem mais nenhum pensamento ruim e merecerá ver Hashem face a face e ver a geula shleima (redenção completa).

Do website de Shuvu Banim International, de Rabbi Eliezer Berland shlit"a.

Website:

domingo, 19 de agosto de 2018

O Pote Fervente [Ensinamentos de Rabino Nachman]



Quando uma pessoa começa a servir a Deus e se aproxima de um verdadeiro Tzadic, ele é frequentemente preenchido com pensamentos negativos e agitação interna.

Isto é como um pote de água que inicialmente parece bastante limpa, mas assim que é colocado no fogo e começa a ferver, todas as impurezas começam a surgir. Alguém tem que ficar lá constantemente removendo a espuma e as impurezas.

No início, a água parece perfeitamente limpa, mas à medida que se aquece, mais e mais impureza aparece na superfície. Finalmente, no entanto, quando toda a impureza é removida, a água é verdadeiramente pura e limpa.

O mesmo é verdade para uma pessoa. Antes de começar a servir a Deus, o bem e o mal estão totalmente misturados nele – tanto de forma que o mal e impureza é nem mesmo discernível. Mas quando ele começa a tentar servir a Deus e se aproxima de um verdadeiro Tzadic, ele inicia o processo de limpeza e purificação. Cada vez mais o mal e impurezas sobem à superfície.

Aqui também é preciso ficar constantemente removendo a sujeira e as impurezas que aparecem, até que no final a pessoa esteja verdadeiramente pura e limpa.

Inicialmente uma pessoa está totalmente imersa no material. Quando ele começa a se aproximar de Deus, pode parecer que seria possível remover toda essa sujeira e impureza de uma só vez. Mas sua mente está tão misturada com essa lama que, se fosse removida de uma só vez, ele poderia perder a cabeça com ela também.

A pessoa deve ser muito paciente até que pouco a pouco a pessoa fica completamente pura.

Sichot Haran #79

Do livro The Essential Rabbi Nachman por Azamra Instituite.

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Porção da Torá - O Bezerro de Ouro




Porção da Torá, Ki Tisa (Êxodo 30: 11-34: 35).

O Bezerro de Ouro

O jogo da inclinação do mal é adoçado com a ajuda do Céu, mas em nossos tempos modernos, é uma lição que podemos aprender na Torá.

Moshê Rabeinu atrasou a sua vinda da montanha, e o povo se levantou contra Aarão, dizendo: "Vamos lá! Faza-nos deuses que irão diante de nós ..." - Moshê Rabeinu em seu retorno, não aceitou as ações do povo e as tábuas quebraram. Moshê Rabeinu mais uma vez intercedeu e pediu a HaShem que perdoasse o povo e, assim, as novas tábuas tiveram luz diminuidas.

O que podemos aprender dos altos feitos do grande patriarca? Existe um entendimento ilimitado em agir em todos os momentos da vida e, em primeiro lugar, pedir ao Mestre do Universo que volte tudo para o bem. O começo é saber como perdoar alguém e, em segundo lugar, compartilhar os ensinamentos da Torá, na esperança de aumentar a consciência das pessoas para se aproximar de Deus, o que envolve um conjunto de melhorias de compromisso e comportamento neste mundo.

Há eventos pessoais e aqueles que podemos ver no Facebook os depoimentos que estão acontecendo com outras pessoas, problemas de todos os tipos, financeiro, saúde, etc, há muito o que processar em nossa mente, nunca é tarde demais para aprender as lições da vida, quanto mais estivermos unidos [Devekut] com HaShem, mais para o bem iremos.

Há retificação pessoal e há retificações coletiva, se Deus quiser, podemos fazer a Vontade do Altíssimo e obter retificações surpreendentes.

Rambam z"l traz as "Leis dos Vizinhos", se cinco jardins recebem água de uma nascente e a nascente seca, todos eles devem consertá-la com a parte superior (Sha'ar Hagilguum, capítulo 13).

Gilson Sasson.

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Apego ao Tsadic




É muito bom se ligar a um verdadeiro Tsadic. Nas turbulências no tempo da vinda do Mashiach, Deus “a partir do qual se pudesse espalhar por toda a terra e dela afastar os ímpios” (Jó 38:13). Mas quem está ligado a um verdadeiro Tsadic será capaz de se agarrar a ele para não ser rejeitado com os ímpios. Ao segurar o Tsadic, ele permanecerá firme.

Sichot Haran #22

Do livro The Essencial Rabbi Nachman, publicado por Azamra Institute.

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Copas do Mundo ou Salvar Vidas?



Copas do Mundo ou Salvar Vidas?

Mesmo que alguns seres humanos não se importam pela Natureza, a Natureza se importa pelo ser humano.

A devastação de grandes áreas verdes, a poluição nos mares, no solo, no ar é a prova que os homenzinhos ainda não sabem viver em equilíbrio ao meio que se envolve.

Vivemos numa era primitiva, onde os governos mundiais de grandes nações tem tudo, enquanto outros países pobres encara falta de comida, saúde, ensino.

Milhões de dolares são gastos em todas as Copas do Mundo, enquanto muitas crianças e familias pobres ficam sem apoio de ajuda internacional, há alguma ajuda mas é muito pouco, a conduta da humanidade ainda falta humanidade.

Não faz sentido, se divertir, um entreterimento mundial, sabendo da estrutura precaria de muitos países pobres. Até mesmo países emergentes, como o Brasil que saiu da categoria de terceiro mundo, há problemas sociais graves.

A conduta da humanidade ainda carece de humanidade.

O Grande Olho está nos observando.

GilsonSasson

domingo, 10 de junho de 2018

Quatro entraram no Pomar - PARDES




Quatro entraram no Pomar

Aqui está a surpreendente interpretação do Rabino Shalom Arush da passagem alegórica da Gemara sobre os quatro estudiosos que entraram nos portais esotéricos do conhecimento da Torá...

Por: Rabino Shalom Arush.

A Gemara descreve os quatro estudiosos que sondaram a dimensão interna da Torá, metaforicamente referida como o Pardes, o pomar (ver tratado Chagiga, 14b): "Rebe Akiva entrou em paz e saiu em paz; Ben Azai espiou e foi atingido; Ben Zoma espiou e morreu; Acher [Elisha ben Abuya] derrubou as plantações."

Vamos primeiro examinar o perfil do Rebe Akiva, que foi capaz de entrar nos portais mais profundos dos segredos da Torá em paz e saiu em paz também. O Rebe Akiva não só possuía um intelecto prodigioso, mas também um caráter muito correto. Ele enfatiza que amar o próximo como a si mesmo é a essência da Torá. O Rebe Akiva é também o pilar da emuná, e ele nos ensina a dizer que tudo o que HaShem faz é sempre o melhor (veja o tratado Berachot 60b). O Rebe Akiva alcançou os mais altos níveis de emuná e humildade. Toda a Torá Oral deriva dele. Nossos sábios dizem que ele foi digno o suficiente para ter recebido a Torá no Monte Sinai.

O Rebe Akiva não nasceu com uma colher de prata na boca. Ele era filho de convertidos e até aos 40 anos, foi um trabalhador simples. Ele alcançou tudo o que tinha com dedicação, trabalho duro e oração. Ele clamou a HaShem por cada pedaço de Torá que ele aprendeu. Ele sofreu uma pobreza indescritível. No entanto, ele serviu HaShem e estudou Torá com todo o seu coração. Suas desvantagens eram suas vantagens, pois sua pobreza e seu modesto passado fizeram com que sua ascensão na Torá e na espiritualidade fosse ainda mais notável. Ele se tornou o grande do nosso povo, mas ele nunca esqueceu de onde ele veio.

O Rebe Akiva tão humildemente se via como nada sem HaShem. Portanto, ele orou por tudo. Como tudo o que ele conseguiu foi o resultado da oração, tudo foi benéfico. Como tal, ele foi capaz de ficar a par dos mais elevados segredos da Torá sem perder a cabeça ou se tornar arrogante.

O Rebe Nachman ensina (Likutei Moharan I:31) que Ben Azai e Ben Zoma eram tzaddikim do mais alto calibre, pois nossos sábios nos dizem: "Aquele que vê Ben Azai em um sonho pode esperar receber piedade; aquele que vê Ben Zoma em um sonho pode esperar sabedoria" (ver Avot D'Rebbe Natan, cap. 40). No entanto, apesar de seu nível elevado, eles não conseguiam ver o que Rebbe Akiva via sem ser prejudicado. Por quê?

O Rebe Natan de Breslev sempre nos lembra que, onde quer que haja deficiência, há falta de oração. Ou uma pessoa não rezava de todo coração ou não orava o suficiente. Não podemos dizer que esses dois sagrados sábios Tannaicos não tenham orado; mas, podemos dizer que eles não oraram o suficiente, pois se eles orassem tanto quanto o Rebe Akiva, eles também teriam entrado e saído em paz. Sua deficiência de oração os deixava com uma deficiência, pois eles não tinham o receptáculo apropriado para lidar com tal luz Divina ofuscante.

 A fim de caminhar com segurança nos altos lugares espirituais onde esses dois santos sábios se encontravam, é necessário uma quantidade prodigiosa de oração. Ben Azai "espiou e foi atingido"; em outras palavras, desde que ele não possuía o vaso espiritual forte o suficiente para conter uma luz tão forte, ou mais simplesmente, sua alma não poderia lidar com tais segredos da Torá, ele ficou louco.

Alguém que não faça algo para ser melhorado com a sua própria vontade não é capaz de aprender. Quando eu era jovem, eu morava em Bnei Brak. Eu tinha um vizinho que ficou totalmente desorientado por aprender Gemara. Ele estudava dia e noite. Os líderes rabínicos que estavam envolvidos neste caso decidiram-se entrar em um determinado tema de aprender mais com Gemara! Eles permitiram que ele trabalhasse, viajasse, ouvisse música ou fizesse qualquer outra coisa que quisesse, apenas para não aprender a Torá. Eu não tenho dúvidas de que se este indivíduo tivesse implementado o conselho de Rebbe Nachman para rezar antes e depois de aprender Torá, ele deveria ser bem sucedido. E, se Ben Azai "espiou e foi atingido", Ben Zoma "espiou e morreu". Ben Zoma não tinha os meios para lidar com a luz forte e perdeu a vida completamente.

Vamos enfatizar que Ben Azai e Ben Zoma eram dois tsadikim em níveis além de nossa compreensão. Se eles pudessem ser prejudicados pelo aprendizado da Torá sem oração suficiente, do que podemos dizer, as pessoas simples desta geração? Nós certamente devemos investir esforço concentrado em oração. "Tefilla L'Oni" elabora que Ben Azai e Ben Zoma deram mais ênfase à aprendizagem do que à oração; eles foram, portanto, expostos nos mais altos níveis de segredos da Torá sem proteção suficiente. Podemos comparar suas almas a uma lâmpada de 100 watts que de repente recebe 250 watts de corrente; é incapaz de lidar com a carga, por isso explode. Então, se os maiores tsadikim devem fortalecer suas almas através da oração para poderem se tornar receptáculos valiosos para a luz da Torá, nós certamente devemos!

Tanto o Talmude Babilônico quanto o Talmude de Jerusalém elaboraram as razões que levaram à queda de Elisha Ben Abuya. Quando ele se tornou um herege total, seus santos contemporâneos nem sequer mencionaram seu nome; eles se referiam a ele como Acher, "o outro". O começo de sua carreira na Torá não foi por causa de Hashem. Quando seu pai viu o prestígio dado aos estudiosos da Torá, ele queria que seu filho se tornasse um estudioso da Torá também. Outros relatos no Talmud dizem que as circunstâncias de sua concepção não eram sagradas e que, quando sua mãe estava grávida, ela cheirava o incenso de uma casa de idolatria, e ambas tiveram efeitos trágicos de seu filho ainda não nascido. Ainda outra opinião diz que Acher ouviria música grega, e que ele confundiria crianças jovens com questões filosóficas e existenciais quanto à existência de D'us. Combinados, todos esses fatores levaram à sua queda.
  
Se dissermos que Ben Azai e Ben Zoma não oraram o suficiente, podemos dizer que Acher não orou nada. Se ele tivesse pedido a HaShem para conduzi-lo no caminho da verdade e da justiça, HaShem teria satisfeito de bom grado. Ele não teria encontrado um destino tão trágico e herético.

O Midrash (Yalkut Shimoni, Mishpatim) fornece mais uma prova do que dissemos até agora: Absalão, Doeg, Korach, Ahab e Elisha Ben Abuya foram resgatados do Purgatório dizendo na'aseh venishma, faremos e atenderemos.  Este incrível Midrash revela um enorme segredo, a saber, que os indivíduos mencionados acima eram todos extremamente brilhantes, mas assim que eles justificaram o severo julgamento contra eles e levaram a simples emuna sobre si mesmos, suas sentenças foram mitigadas. Toda a base de na'aseh venishma, faremos primeiro e só depois daremos atenção, significa que o caminho coloca emuna antes da proeza intelectual. Em outras palavras, a oração deve preceder a Torá! Uma vez que a pessoa entende este princípio, severos julgamentos contra ele são mitigados também. Possa todos nós crescemos em Torá, amém!


*Escrito por: Rabino Shalom Arush
*Versão em Inglês por: Rabi Lazer Brody
*Traduzido em Português por: Gilson Sasson (editor de Jornal Mitsvá)
*Artigo originalmente publicado em Breslev Israel (http://www.breslev.co.il). Publicado em Jornal Mitsvá com a permissão de Breslev Israel.